Alfa-Bloqueadores: Estratégia para evitar a tempestade de citocinas e tratar a COVID-19.



Para alguns pacientes com COVID-19, a resposta imune do corpo pode ser tão destrutiva quanto o vírus que causa a doença. A febre alta persistente, dificuldade respiratória grave e danos nos pulmões observados em alguns pacientes gravemente enfermos são todos sinais de uma resposta imune excessiva.


Uma resposta imune hiperativa não é exclusiva do COVID-19. Pessoas com doenças autoimunes e pacientes com câncer que recebem imunoterapia podem apresentar sintomas semelhantes. Essa resposta é chamada de síndrome de ativação de macrófagos, síndrome de liberação de citocinas - ou simplesmente "tempestade de citocinas".


Quando os macrófagos (e alguns outros tipos de células imunológicas) detectam partículas virais, eles enviam mensagens de alerta liberando várias proteínas conhecidas como citocinas. Essas citocinas recrutam outras células imunológicas para o local - uma resposta inflamatória que, com moderação, ajuda o corpo a combater um vírus. Mas os macrófagos também podem liberar outras moléculas de sinalização, chamadas catecolaminas, que amplificam ainda mais essa resposta, desencadeando a liberação de mais citocinas. O resultado é um ciclo de feedback descontrolado, como uma bola de neve aumentando à medida que desce uma colina.


"Parece que uma vez iniciado esse processo, há uma incapacidade de desativá-lo adequadamente", diz Maximilian Konig, reumatologista da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins.


Os pesquisadores estavam interessados ​​em medicamentos chamados bloqueadores alfa, amplamente prescritos para hiperplasia prostática e hipertensão arterial - e também interferem na sinalização celular que desencadeia tempestades de citocinas. Em teoria, os medicamentos podem parar uma tempestade de citocinas antes que ela comece.

À medida que a pandemia do COVID-19 aumentou nos Estados Unidos nos últimos meses e pacientes gravemente doentes apresentaram sintomas de tempestade de citocinas, a ideia de testar bloqueadores alfa em humanos se tornou mais urgente.


No teste, os pacientes com COVID-19 tomarão doses gradualmente crescentes de um bloqueador alfa chamado prazosin, por seis dias, diz Chetan Bettegowda, neurocirurgião da Hopkins que está ajudando a projetar e executar os testes. Em seguida, a equipe avaliará se as pessoas que receberam esse tratamento tiveram uma taxa de admissão na UTI ou uso de ventilador mais baixa do que os pacientes que receberam o tratamento padrão. Eles acompanharão cada paciente por 60 dias, mas os dados preliminares dos primeiros pacientes poderão estar disponíveis dentro de semanas a meses, diz Bettegowda.


Por si só, não há evidências suficientes para prescrever o medicamento para uma doença totalmente nova como o COVID-19, diz Susan Athey, economista da Universidade de Stanford, mas ajuda a reforçar o argumento para o ensaio clínico da equipe.


HEALS Educação, mantendo você sempre bem informado 

#educacao #capacitacaoprofissional #desenvolvimentohumano #aprimoramento #coach #softskills #liderança #farmacia #nutricao #enfermagem #medicina #estetica #radiologia #biomedicina #quimica #biologia #fisioterapia #fitoterapia #plantasmedicinais #farmaciaclinica #farmacoterapia #healseducacao #covid19 #alfabloqueadores #citocinas #coronavirus

Link do original: https://neurosciencenews-com.cdn.ampproject.org/c/s/neurosciencenews.com/cytokine-storm-coronavirus-16452/amp/

1 visualização0 comentário