PRESCRIÇÃO DE ANTIBIÓTICOS: QUE ESTRATÉGIA PODE SER EFETIVA PARA O USO RACIONAL?




Uma análise do CIDRAP - Center for Infectious Disease Research and Policy, da Universidade de Minnesota, sobre dois estudos publicados recentemente, faz pensar sobre as melhores estratégias para o Uso Racional de Antimicrobianos. Os dois estudos realizados no Canadá sugerem que os esforços e estratégias para reduzir a prescrição desnecessária de antibióticos na atenção primária tiveram resultados diferentes e que é necessário outro tipo de intervenção para mudar o comportamento médico, e não apenas campanhas educativas.


Em um ensaio clínico randomizado publicado na JAMA Internal Medicine*, uma equipe de pesquisa liderada pela Public Health Ontario descobriu que o envio de uma carta aos médicos da atenção primária, informando que, em comparação com os pares, eles estão no quartil mais alto de prescritores de antibióticos, resultou em menos prescrições globais, menos prescrições de duração prolongada e custos reduzidos de medicamentos.


Enquanto isso, um estudo publicado no Journal of Antimicrobial Chemotherapy(**) descobriu que a campanha do Canadá para reduzir o uso de antibióticos para infecções respiratórias, por meio da educação e conscientização (Choose Wisely), não causou uma mudança significativa nos padrões de prescrição de curto prazo para essas infecções.


Estratégia 1: Cartas de comparação de pares:


O estudo controlado randomizado envolveu 3.500 médicos de família ou clínicos gerais que foram classificados como os maiores médicos de atenção primária prescritores de antibióticos em Ontário com base em dados de março de 2017 a fevereiro de 2018. Os médicos foram divididos em três grupos, com 1.500 recebendo uma carta contendo recomendações sobre introdução de antibióticos, 1.500 recebendo uma carta com recomendações sobre durações adequadas de prescrição de antibióticos, e um grupo controle de 500 médicos que não receberam uma carta.


As cartas, enviadas no início de dezembro de 2018, continham recomendações e ferramentas adaptadas da Choose Wisely Canada, uma campanha nacional para reduzir tratamentos e testes desnecessários em saúde, e foram assinadas pelos principais funcionários médicos da província. A ideia por trás do envio das cartas era que, ao mostrar aos médicos da atenção primária, com alta taxa de prescrição, que seu comportamento estava fora do racional, poderia estimular uma mudança na prescrição, e ao fornecer informações sobre iniciação e duração apropriadas dos tratamentos, poderia ter um impacto adicional.


O julgamento teve três resultados pré-especificados. O resultado primário foi o número total de prescrições de antibióticos nos 12 meses após o enviar as cartas, em comparação com os dados da linha de base coletados 12 meses antes da intervenção. Os outros desfechos foram o número de prescrições de antibióticos de duração prolongada (definidas como mais de 7 dias) e os custos totais de antibióticos.


Em comparação com os médicos do grupo controle, o recebimento da carta falando de duração do tratamento resultou em 42 prescrições de antibióticos a menos, 24 menos prescrições de duração prolongada e US$ 771 em custos medicamentosos economizados em média, por médico, ao longo de 12 meses. Os autores do estudo estimam que, se todos os 3.500 médicos que mais prescrevem antibióticos em Ontário tivessem recebido a carta de duração do antibiótico, teria havido 147.000 prescrições de antibióticos a menos nos 12 meses, 84.000 prescrições de duração prolongada a menos e uma redução de US $ 2,7 milhões nos custos de medicamentos.


"Demonstramos que uma única carta de comparação por pares sobre a prescrição de antibióticos pode reduzir os custos com medicamentos e foi implementada com sucesso em todo um sistema de saúde", concluíram os autores do estudo. "A adição de um recurso sobre as durações adequadas dos antibióticos resultou em reduções substanciais nas prescrições de duração prolongada, além da redução do uso geral de antibióticos."


Estratégia 2: Campanha de Educação:


No outro estudo, pesquisadores da Universidade de Toronto se propuseram a determinar se a campanha "Using Antibiotics Wisely in Primary Care " do Canadá teve algum impacto nas taxas de prescrição de antibióticos para infecções respiratórias.


A campanha, que foi lançada em novembro de 2018 e inclui kits de ferramentas e recomendações para os médicos reduzirem a prescrição de antibióticos para infecções respiratórias agudas, foca em antibióticos desnecessários prescritos para indicações como bronquite, faringite e otite média aguda (dor de ouvido), já que esses são alguns dos principais fatores de prescrição ambulatorial desnecessária.


Usando dados do banco de dados IQVIA Geographic Prescription Monitor, que responde por 75% das prescrições dispensadas por farmácias comunitárias no Canadá, os pesquisadores realizaram uma análise em série de tempo de prescrição de antibióticos de janeiro de 2015 a dezembro de 2019.


No geral, a taxa nacional de prescrição de antibióticos indicados para infecções respiratórias aumentou 2,1% de 2015 a 2017 e caiu 3,5% de 2017 a 2019, uma tendência que foi geralmente consistente em todas as idades e províncias. Mas nenhuma redução significativa na prescrição — seja em números gerais, por faixa etária específica ou por classe de antibióticos — foi observada após o lançamento da campanha Using Antibiotics Wisely in Primary Care. Mesmo as províncias que disseram priorizar o kit de ferramentas da campanha, não viram mudanças significativas nas taxas de prescrição de antibióticos indicadas para infecções respiratórias, após a intervenção.


Os autores do estudo observam que eles tiveram apenas 13 meses de dados para medir o impacto da campanha, e que pode haver um impacto mais mensurável ao longo do tempo. Mas eles sugerem que a campanha não levou a uma redução significativa de antibióticos, a curto prazo, porque foi projetada como uma intervenção passiva focada no compartilhamento de conhecimento.


Nas palavras dos autores "Há muitos fatores conhecidos por afetar a prescrição de antibióticos para infecções respiratórias agudas, como expectativas de pacientes e cuidadores, preocupações médicas e restrições de tempo. É improvável que esses fatores sejam impactados apenas por campanhas educativas passivas."


Finalizando...


Os analistas do CIDRAP concluem que futuras campanhas para redução de administração antimicrobiana na comunidade devem considerar a adição de componentes e ações específicos para médicos e pacientes, que vão além da campanha educativa.


HEALS EDUCAÇÃO, MANTENDO VOCÊ SEMPRE MUITO BEM INFORMADO.


(*) https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/article-abstract/2781806

(**) https://academic.oup.com/jac/article-abstract/76/9/2472/6315026


O original deste artigo pode ser lido em

https://www.cidrap.umn.edu/news-perspective/2021/07/studies-highlight-impact-clinician-feedback-antibiotic-prescribing

3 visualizações0 comentário